terça-feira, 25 de junho de 2013

Deixa florescer

A marcha alegre se espalhou na avenida e insistiu
A lua cheia que vivia escondida surgiu

Nossa geração nunca vivenciou momento de tamanha efervescência política, a cada manifestação, vão às ruas novas indignações, novos desejos por mudança, o povo brasileiro está pegando a caneta da história para exigir ganhos para xs exploradxs, relembrando as lutas históricas que o nosso povo travou contra uma classe gananciosa. A nossa geração está semeando o que pode vir a ser uma primavera dxs excluídxs, o que pode ser a tomada da posição de sujeitos da história de um continente marcado por negação de direitos, por ditaduras, e manchado de sangue em cada prédio construído, em cada mina cavada, em cada pedaço de terra plantado. É tempo de luta para trazer o povo para dentro da Política, e assim construir um país de fato democrático.
Assim, floresce em diversas cidades do país o tempo das lutas de massa, de um povo protagonista de seu tempo, o tempo da unidade daquelxs que foram silenciados por opressões de classe, cor e gênero. Em Mossoró/RN sairemos às ruas hoje com o desejo de um projeto popular para o país e para a cidade, no qual o povo seja beneficiado por políticas públicas e tenha direitos garantidos, sairemos às ruas para construir um novo país e uma nova sociedade sem as amarras das nossas opressões históricas. Para isso, as bandeiras do povo devem ser erguidas, devem sair de nossas gargantas e pulmões os gritos e palavras de ordem das mulheres e dos homens que sofrem diariamente o peso de um sistema econômico e político assassino. Nossas pautas e nossas vontades não podem ser desviadas por discursos externos ao movimento que luta pelo direito à cidade, as indignações são nossas, assim como são as ruas.
O Levante Popular da Juventude estará na luta junto com o Movimento Pau-de-arara até que os nossos direitos sejam conquistados, que nosso ir e vir se concretize na vida cotidiana dxs estudantes, dos trabalhadores e das trabalhadoras, até que em cada cidade do continente, em cada paralelepípedo das ruas que homenageiam torturadores, em cada latifúndio, floresça um canto realmente popular.


Juventude que ousa lutar...

Constrói o poder popular