segunda-feira, 20 de abril de 2015

Globo: o povo não te quer por aqui!

 "Seria uma atitude muito ingênua esperar que as
classes dominantes desenvolvessem uma forma de
 educação que permitissem às classes dominadas 
perceberem as injustiças sociais de forma crítica"
Paulo Freire

Manipulação da informação, descompromisso com o interesse popular, criminalização de movimentos sociais e enaltecimento de pautas da elite brasileira e mundial, são marcas registradas da Rede Globo de Televisão. A segunda maior rede de televisão comercial do mundo, que atinge diariamente 150 milhões de pessoas de todos os continentes, foi oficialmente fundada no período da Ditadura Civil-Militar do Brasil, no dia 26 de abril de 1965 - pouco mais de um ano após o Golpe de 64. Sua criação não se deu ao acaso: ela serviu de braço midiático da ditadura, tanto justificando o autoritarismo e a afronta aos direitos do povo, como mascarando a realidade das prisões políticas e torturas.

Atingir 98% do território brasileiro com a TV aberta não parece suficiente para as Organizações Globo. Dominam também transmissão via satélite, TV a cabo, rádios, jornais, revistas, sites na internet, gravadoras e cinema. Os tentáculos da família marinho consegue abranger todo e qualquer tipo de produção e disseminação de opinião no Brasil. Suas extensões na comunicação formam um imenso latifúndio midiático, provocando um monopólio da informação e um desserviço ao povo brasileiro.


O que prova isso é a vasta cobertura dos protestos do dia 15 de março e do dia 12 de abril, que clamavam nas ruas pela intervenção militar e impeachment da Presidenta Dilma. É de cair o queixo: até a programação do Esporte Espetacular foi adaptada as manifestações "pacíficas, com homens, mulheres, crianças e famílias". Nesse mesmo cenário, o povo foi as ruas para barrar o Projeto de Lei n° 4330/2004, dizendo não a terceirização e a precarização do trabalho, e o que a Globo noticiou? A prisão do ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, pelo envolvimento com os escândalos de corrupção da Petrobrás.

Assusta ligar a televisão no canal Globo, entrar no portal online G1 ou sintonizar na rádio Globo. Vemos, sem dúvidas, a quem o Grupo Globo serviu, a quem ele serve e, a quem continuará servindo no próximo período. Com posicionamentos que afrontam a democracia, a mídia golpista não se exime de manipular a informação, de esconder o que de fato interessa ao povo brasileiro. Amarrada nas correntes do Tio Sam, a Globo lidera os ataques a Petrobrás e a forçosa tentativa de globocolonização.

O POVO NÃO É BOBO, ABAIXO A REDE GLOBO!

No ano  em que a Rede Globo completa 50 anos de existência o povo brasileiro mostra sua insatisfação com o descompromisso social da emissora. O Jornal Nacional e seu"horário nobre" que costumavam ter 40 pontos na escala de audiência, despencou no mês de março para a faixa dos 18 pontos. Outro fato que mostra a insatisfação popular com o latifúndio midiático dos Marinhos faz-se nas ruas. Rara é a manifestação em que a Globo não é citada como inimiga do povo.

Domingo que vem ela comemora 50 anos de golpismo e atentado a democracia.  Dia 26 de abril de 2015. Temos plena certeza que o povo te dará um belo presente, Globo. Na caixa desse presente estarão as 21 cruzes das companheiras e companheiros assassinados em Eldorado dos Carajás, estará o sangue da juventude negra derramado nas quebradas. Também estarão os gritos contra a LGBTfobia, a força do feminismo e a resistência do povo negro. No cartão do nosso presente, Marinho, estará escrito: Democratize a comunicação! Constituinte é a solução!

Arthur Carvalho
Levante Popular da Juventude RN