quarta-feira, 1 de abril de 2015

Curso de formação para o Movimento Estudantil

“O homem novo está além da fome, além da chuva, além dos borrachudos, além da solidão. O homem novo está ali, no esforço a mais. Está ali onde o homem normal começa a dar mais que o homem normal. Onde o homem começa a dar mais do que o comum dos homens.
Omar Cabezas

Nos dias 28 e 29 de março ocorreu o primeiro curso de formação para o Movimento Estudantil (ME) do Levante Popular da Juventude do Rio Grande do Norte. Com muita mística e formação, o curso reuniu cerca de 60 estudantes para forma-lxs e organiza-lxs em lutas dentro das escolas e/ou universidades.

Trazendo um recorte da conjuntura atual, no mundo e no Brasil, a manhã do sábado (28) foi destinada para o debate em cima do avanço do imperialismo e do conservadorismo, em que só faz prejudicar a vida da classe trabalhadora. As tentativas de golpes na Venezuela pela burguesia local, sob o comando dos EUA, foram analisadas junto aos problemas no qual o Brasil está sofrendo, no que diz respeito ao corte de direitos trabalhistas e a tentativa da imprensa burguesa em privatizar a Petrobras.


Diante disso foi exposto também como o congresso brasileiro, o mais conservador desde o término da ditadura, está construindo e avançando em projetos neoliberais, como a contrarreforma política, que visa constitucionalizar o financiamento privado de campanha. A solução indicada como resposta à tudo isso, foi a constituinte exclusiva e soberana para uma reforma política feita pelo povo, dando mais voz a população excluída do campo político, para conseguir avançar em seus direitos, conseguir realizar uma democratização midiática e acabar com o financiamento privado de campanha, base para a corrupção no país.

Além da conjuntura, o curso também promoveu o embate de como está a educação brasileira, tanto nas universidades públicas como nas privadas. O grande poder de empresas que tem como mercadoria a educação, faz com que se aproveitem da conjuntura atual e consigam arrecadar mais lucro aumentando o valor das mensalidades dxs estudantes nas universidades privadas, ao mesmo tempo que o FIES não consegue acompanhar esse aumento.

Assim como as lutas nas universidades privadas, as públicas também enfrentam muitos problemas diante da conjuntura atual. Devido aos cortes na educação, a falta de verba para as universidades vem diminuindo seus suprimentos básicos e a permanência estudantil. O direito à alimentação nos Restaurantes Universitários (RU) também vem sendo influenciados, com a imposição de mais catracas, trazendo diversas consequências como filas enormes, e dificuldade dxs estudantes em realizar sua refeição.

Os debates sobre a educação brasileira foram não só discutidos pelos facilitadores, mas também foi levado para Núcleos de Base (NB) fazerem suas discussões em conjunto, para depois levar a todo o curso.


No último dia do curso (29), tentou-se avaliar a luta que xs estudantes tem travado nas universidades, e mostrar a importância da organização deles em espaços como os DCE’s, CA’s e DA’s, assim como a construção da UNE como um espaço de levar anseios de transformação não somente para os e as estudantes, mas também para o povo. A mudança da realidade na vida de toda juventude e sociedade brasileira depende da organização de cada um em espaços políticos, e da defesa de seus direitos.

Ousar lutar, ousar lutar, organizando a juventude para o projeto popular!

Kennet Anderson
Levante Popular da Juventude do RN