sábado, 5 de novembro de 2011

Curso básico de injustiça

''A publicidade manda consumir e a economia o proíbe.
As ordens de consumo, obrigatórias para todos, mas impossíveis para a maioria, são convites ao delito.
Sobre as contradições de nosso tempo as páginas policiais dos jornais ensinam mais do que as páginas de informação política e econômica.
 Este mundo, que oference o banquetes a todos e fecha a porta no nariz de tantos, é ao mesmo tempo igualador e desigual: Igualador nas idéias e nos costumes que impõe e desigual nas oportunidades que proporciona.''
Eduardo Galeano - Escola do Mundo do Avesso

COMENTE SOBRE O PRIMEIRO MOMENTO QUE VOCÊ PERCEBEU UMA INJUSTIÇA:
''Sempre observei ou vivenciei a dificuldade que um aluno de escola pública tem em relação ao aluno que possui mais recursos de ensino.
outra situação de indignação foi em relação a atenção básica de saúde que faz o paciente ficar horas esperando em uma fila,acordar de madrugada para ser entendido,e ás vezes, ainda não consegue uma consulta ou medicamento. Além disso perde horas de trabalho que será descontado do seu salário...
ver crianças sem alimentação básica e higiene. E a precariedade com que muitos seres humanos vivem.''
''Caros colegas,
Sou enfermeiranda da Unidade Básica de Saúde de Felipe Camarão e entre vários momentos em que me deparei com a injustiça destaco esse:
NO MOMENTO DA VISITA DOMICILIAR EM FELIPE CAMARÃO
Nesse momento observei condições precárias de moradia,construídas em encostas de morro sem o mínimo de segurança,com esgoto a céu aberto,num espaço mínimo morando toda uma família,sem condições também de higiene. Nessa visita constatei que os indivíduos que ali moravam eram sobreviventes.''
''Amados e Amadas,
As minhas primeiras experiências com a injustiça social e a desigualdade foi quando ainda pequena,adolescente,queria comer algumas coisas e minha família não podia comprar. Mamãe dizia ''o salário do seu pai não dá para comprar isso,se conforme.'' Eu não aguentava o ''se conforme''. Quando comecei a participar de movimentos sociais e estudar a realidade brasileira,entendi que havia todo um mundo para destruir e construir uma nova sociedade que pudessemos ter vida digna,incluindo segurança e soberania alimentar.
Só sei que foi assim.
Beijos mil.''
''Eu vivo no meio de muitas injustiças sociais,já que nasci em uma periferia (linda!)
Mas aos 16 anos, em um dos trabalhos que eu desenvolvia com os adolescentes da igreja,onde tínhamos que subir o morro e entregar para uma família uma cesta de alimentos,percebi que apenas isso não iria melhorar suas vidas.
Eles moravam num barraco de madeira sem chão ao lado de um curral.
CHEIRO''
''Cara Revolução Brasileira,
Há muito tempo tenho sonhos eróticos com você,desejando o dia em que todos(as) farão ''amor não mercantil''.
Minha indignação aumenta cada vez que olho o corpo cansado de minha mãe e seu semblante de quem exige um mundo melhor.
Espero nos encontrarmos logo.
Abraços''
''Querido mundo,
Lágrimas rolaram em minha face ao presenciar numa tarde chuvosa de inverno,já a algum tempo,crianças dormindo em calçadas,provavelmente com fome, e logo a sua frente casas luxuosas e carros passando. Num passeio pela cidade rumo a ''faixa de gaza''!
Por que temos que dizer: Ou isto,ou aquilo... (Cecília Meireles)''
''Quando li que existia a possibilidade de o Brasil fazer reformas de base  durante o Governo Jango e ao invés disso escolheram privilegiar o capital estrangeiro e a economia que vem acontecendo até hoje.
Vi isso no livro de Gilberto Cotrin ''História Geral'' e percebi.
Outro episódio bem marcante é que: Além de não ter condições dignas de moradia ,tem mais de 153 milhões de pessoas morrendo de frio por ano.''
''Bem, caro leitor do meu bilhete,
Em vários momentos da minha vida me deparei com episódios,digamos assim,de injustiça social. Talvez por isso estou nesse curso para encontrar um caminho por onde possa lutar contra esse mal.
Como a dinâmica nos solicita um momento,detenho-me a acontecimento mais atual. 
Estou em estágio em um bairro onde existem pessoas em boas condições de vida e pessoas carentes.
Tive contato com uma senhora de 60 e poucos anos que tem uma úlcera venosa (ferida na perna) enorme que está piorando significativamente. Não temos como tratá-la porque falta materiais para curativos,a alimentação é precária, as condições de higiene são limitadas,ela precisa de uma internação para processo cirúrgico,mas o serviço público não a recebe por julgar o caso sem prioridade.
Ela não tem condições de procurar outro serviço e a perna dela só piora.''
''O ÁPICE FOI...
Aulas de questão social,curso de formação política e classes e movimentos sociais.
A minha indignação aflorou nesses momentos,pois neles conheci o ciclo de acumulação do capital e principalmente os seus reflexos negativos.  (Todos eles conheciam bem de perto apenas não sabiam como eles se davam).
Enfim... Foi assim!!!''
''Olá,
Um episódio que me fez sentir ainda mais indignado,angustiado,convicto de que precisamos mudar essa realidade contraditória e dolorosa que nos cerca,foi o contato com as biografias de Mahatma Gandhi e Luther King.
Sempre senti que havia algo errado com o mundo (pelo menos desde que me entendo por gente). Até descobrir que nós somos o que há de melhor e pior no mundo;se mudarmos,o mundo muda.''
''Visita à Giacometti... Aos 17 anos...
Acampamento do MST com cerca de 2.000 famílias. Foi o dar-se conta de que a perseguição sofrida pelos companheiros não era apenas a proibição ao acesso à terra e ao pão,mas também ao sonho.
Se persegue aqueles que ousam sonhar futuros.''
E agora eu lhes pergunto: Vale a pena lutar?