segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Convite!

Saudações a tod@s!

Os lutadores e as lutadoras do povo possuem um espaço de formação em Ceará-mirim que está correndo o risco de ser tomado pelo ESTADO. Desse modo, com o objetivo de apresentar o Centro de Formação dos Movimentos Populares aos setores mais diversos da sociedade, o Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra (MST) em articulação com a Assembléia Popular, alguns professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, com o Programa Lições de Cidadania, e com outros setores da sociedade civil organizada (ou não), está realizando no dia 15 de outubro um dia completo de atividades no centro.
Esta Campanha em Defesa do Centro Patativa do Assaré objetiva à recuperação das estruturas físicas e da legalidade do espaço junto ao Estado. Trata-se, portanto, de uma Campanha que possibilite criarmos as condições objetivas para avançarmos na formação política da militância das organizações sociais como um todo e a juventude da classe trabalhadora.
Queremos Consolidar o Centro Patativa do Assaré, como uma Referência de/para todas as Organizações, um espaço nosso, construído por nós Lutadores e Lutadoras do Povo!

PROGRAMAÇÃO:
08:00 – Chegada e Acolhimento
08:30 – Mística (reconhecimento do espaço e plantação de mudas)
09:00 – Formação com Prof. Gabriel Vitulo e o MST
11:00 – Debate sobre Educação
12:00 – Almoço
14:00 – Mutirão e plantio Mudas
16:00 – Ato Político
18:30 - Jantar
20:00 – Noite Cultural

Ônibus: Saída às 7hs da parada do circular, ao lado do Via Direta e Retorno às 22hs de Ceará Mirim!

Dormir: Aquel@s que estiverem interessados em dormir, tem que levar barraca, colchão,...

Contribuição: R$ 5,00 (Confirmar participação com antecedência!)

Qualquer coisa liguem para: 084 88736700


Abraços,

"A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar". Eduardo Galeano