quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Vamos lutar?


AGOSTO PELA EDUCAÇÃO: LUTAS NO BRASIL E NO CHILE POR MELHORIAS E REAIS INVESTIMENTOS NO SETOR DA EDUCAÇÃO.

A juventude com toda a sua potencialidade, energia e debate tem cada vez mais assumido o papel de protagonista da sua época. Não é de agora, em momentos anteriores da história do Brasil e mundial, a juventude sempre esteve presente colocando e questionando as principais ações do Estado e da sociedade. 
Atualmente somada às forças das organizações de classe como sindicatos, associações, diretórios, tem sido debatido o investimento na educação brasileira que não chega nem a 8% do Produto Interno Bruto do Brasil, daí a discussão de ser destinado pelo menos 10% do PIB para que tenhamos além do acesso a qualidade na educação, para quem estuda e quem trabalha. Não é por acaso que a educação é um dos setores que mais sofre com o processo de desmantelamento e privatização, assim como os transportes. A lógica atual empregada é de que o Estado não tem condições de dar conta e que é preciso o setor privado assumir tais setores para dar uma melhor assistência. O que este pensamento esconde é que quem tem condições que possa pagar pelo seu direito e quem não tem condições, que viva endividado. 
Sobre tudo isso é que elencamos que a luta que dos estudantes, professores e famílias realizadas no mês de agosto tanto aqui no Brasil (pelo sudeste e sul), e no Chile tem colocado em pauta a resistência e a urgência que devemos atentar, discutir e problematizar, para que alcancemos para além bons índices, uma realização de filhos e filhas de trabalhadores e trabalhadoras estarem vivenciando e escolhendo suas atividades e podendo construir conhecimento para o seu país, não sendo empurrados para as prateleiras do mercado como meras mercadorias. 
Educação e Transporte não devem ser mercadorias, são direitos que tod@s devem usufruir com qualidade. E as/os estudantes estão nas ruas lutando pra que essa exploração não mais exista!

Lutas no Chile:

Lutas no Brasil:

Luta estudantes europeus:


Suzany Ludimila
"O que queremos de fato, é que as idéias voltem a ser perigosas".
(Guy Debord)
PÁTRIA LIVRE, VENCEREMOS!